Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Nuvens indigo sobre pôr-do-sol amarelo queimado




Como que a anunciar o verão, um vento escaldante do Sahara de quase 40 graus varreu o país durante o fim-de-semana, apanhando desprevenidos nativos e turistas. Sombras, repuxos e edifícios públicos com ar condicionado tornaram-se bens preciosos.

A trovoada fulminante surpreendeu os visitantes da Feira do Livro no Parque Eduardo VII. Durante alguns minutos, gordas gotas de chuva substituiram o forno a céu aberto enquanto que nuvens escuras de tom indigo se situaram contra um pôr-do-sol de um amarelo estranhamente queimado. Era como se a paleta lúgubre fosse o prelúdio das notícias catastróficas que estavam para chegar.

A trovoada também atingiu o centro do país, acendendo um fogo florestal em Pedrógão Grande, que cortou estradas, isolou aldeias e ceifou 62 vidas. É o maior desastre natural em décadas e apenas um de 156 incêndios activos em Portugal. O governo declarou um luto de três dias enquanto se mitigam os efeitos da tragédia e se cuidam das vítimas e das suas famílias.

6 comentários:

Rosário disse...

Muito bonito! O meu azul preferido!

USKP disse...

Belo...se não fosse tão triste o motivo.

Fefa

Pedro disse...

Mas o desenho é lindo!

nelson paciencia disse...

O desenho está lindo e a carga que carrega torna-o ainda mais especial.

Celeste Vaz Ferreira disse...

Lindissimo!

Pedro Loureiro disse...

Obrigado a todos e um abraço às vítimas e famílias da tragédia.