Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

BUS

A caminho de Elvas, para o TRAÇO 2017

3º Encontro Internacional de Desenho de Rua

Chegou ao fim, para o ano há mais
 
 
De pé, sentados ou de joelhos, faça chuva, faça sol, em asfalto ou terra batida, o segredo é não desistir.
E assim, lado a lado, solidários e confiantes, chegaram todos à meta de mais uma maratona de desenho. Não houve vencidos, só vencedores. Estão todos de parabéns.
Obrigado a todos os participantes, aos formadores, aos anfitriões, às escolas, aos parceiros e a todos os elementos da organização.
OBRIGADO
 
 
 
 
Foto de um dos grupos do dia 13.
 
 
O único exercício que consegui concluir, lançado pela Patrízia e Vicente.

Aproveito para agradecer aos 10 formadores, pela entrega e generosidade. O vosso contributo foi determinante para o sucesso do evento: Obrigado Patrízia, Isabel, Monia, Nathalia, Vicente, Pedros (Alves e Loureiro), Augusto, Paulo e Simon.

 
Nota: As fotos, dedico a todos os participantes, formadores e parceiros. Mas o desenho é dedicado, a uma grande amiga, a pessoa que mais me tem ensinado no mundo dos cadernos - mais do que um melhor desenhador, ela tem-me ensinado a ser uma melhor pessoa. Este desenho é para ti Ana Luísa Frazão. Em 2014, quando te pedi ajuda para organizar o 1º arte ao centro, sem me conheceres de lado nenhum, disseste  logo "conta comigo, sempre que precisares". Assim foi/é. Obrigado por tudo.



Traço 17 - Festival de Desenho do Alentejo

Forte da Graça, Elvas



Desenho no período da manhã em que nos foi proposto desenhar para o interior do Forte da Graça. Casas de habitação de militares situadas no forte.






Desenho do período da tarde. Vista panorâmica de Elvas desde o núcleo central do Forte da Graça, Elvas, ainda no famoso caderno Laloran de formato comprido.



Sábado, 14 de Outubro 2017




Metropolitanos



Castanhas

Não me apetece comer castanhas porque o calor tarda a ir embora.Mas ver os castanheiros carregados é uma imagem bonita sobretudo porque os ouriços já estão meio abertos e os tons de verde e castanho misturam-se numa combinação subtil. Quem sabe se no final da semana já é tempo de assar castanhas....Leonor Janeiro

3º Encontro Internacional de Desenho de Rua

De 13 a 15 de Outubro decorreu o 3º Encontro Internacional de Desenho de Rua integrado no Arte ao Centro Torres Vedras. Só fui no dia 14. O especial destes encontros - e a minha experiência restringe-se aos OesteSketchers -, é o ambiente eminentemente inclusivo e encorajador do rabisco que os permeia. Funcionam como um cadinho onde se resgatam vontades de desenhar que ficaram esquecidas pela vida, onde os mais tímidos e/ou menos experientes no traço e/ou na cor são calorosamente acolhidos e encorajados, e onde as dicas preciosas, a generosidade e a modéstia dos craques do risco têm sido regra, no auxílio e orientação aos "novatos". Em especial, o ANDRÉ DUARTE BAPTISTA enquanto mentor desta iniciativa, está de PARABÉNS!

O 1º workshop do dia na Adega Mãe com a Patrízia Torres e o Vicente Sardinha
"Histórias da Adega, as suas gentes e os seus vinhos"

O 1º workshop do dia na Adega Mãe com a Patrízia Torres e o Vicente Sardinha
"Histórias da Adega, as suas gentes e os seus vinhos"
Foi-nos oferecido um bloquinho (A6, acho...) onde fui roubando à pressa os 2 registos abaixo enquanto a visita guiada à adega decorria antes do workshop.




Segundo workshop do dia, da parte da tarde, na Adega Cooperativa de São Mamede da Ventosa, com a Monia Abreu e o Simon Taylor
"Contexto, Enquadramento e Distorção"

Segundo workshop do dia da parte da tarde na Adega Cooperativa de São Mamede da Ventosa, com a Monia Abreu e o Simon Taylor
"Contexto, Enquadramento e Distorção"


Uma tentativa de Vicente Sardinha apanhado a rabiscar

O Simon e a Monia a introduzir o workshop. Curiosamente, a dupla tem as mesmas iniciais que o local visitado!

3º Encontro Internacional de Desenho de Rua (Torres Vedras)


O workshop de Simon Taylor e Paulo J Mendes no Instituto da Vinha e do Vinho

Museu do Traje

Ainda o (a)Riscar o Património 2017, a excelente iniciativa da DGPatrimónio, desta vez, no caso de Lisboa, no Museu do Traje, onde não pude estar infelizmente toda a tarde.




Os Pombos - Desafio 82


Uma menina à espera...


Pescaria nos Mosteiros

Depois do Furacão Ophelia, o dia ficou lindo e só nos apeteceu ficar junto ao mar e não fomos os únicos. Encontrámos um grupo de turistas que pescaram imenso (Prombetas e Sargos), no final da pescaria ofereceram-nos tudo, nem sabiamos o que dizer, estavam de férias num hotel, não podiam ficar com o peixe.

(Aguarela, grafite, caneta caligráfica, carimbo e lápis de cor)                                                                                                                     «in situ»

Marilisa Mesquita

No ciclo de oficinas “Vamos desenhar com...” a decorrer durante este ano no Museu do Carmo, chegou agora a vez da Marilisa Mesquita nos vir falar do seu percurso e fazer uma proposta. É no sábado, dia 21 de Outubro, pelas 15h. Apareçam!


3º Encontro Internacional de Desenho de Rua

Este fim de semana decorreu o 3º Encontro Internacional de Desenho de Rua onde tive o prazer de estar como participante no workshop do Simon Taylor e da Mónia. À noite enquanto o prato não chega, num restaurante "pró-fino" como toalhas de pano, alguns outros formadores tiveram de saltar para o caderno.

As Azeitonas


Traço 17

Já de volta a Lisboa, as imagens de Elvas não saem da cabeça. Parece que ainda não deu para aceitar o regresso. No Festival Traço 17, o primeiro que vejo, a recepção dos sketchers foi sempre calorosa e a organização conseguiu trazer de fora, por vezes do outro lado dos Pirinéus, desenhadores que nunca pensei conhecer pessoalmente.




Cheguei a Elvas com a impressão de que, apesar das visitas que já tinha feito, nunca dedicara o tempo que a cidade merecia. Elvas é de facto uma cidade única: estrela Vauban vista de cima, praça-forte entre o Montado e o Odiana. É forte nas muralhas e delicada nos pátios floridos que só se mostram no silêncio das ruas de uma cal branca e ocre. Só são desbotadas pelo azul espelhado de um céu tão puro como a vista da planura distante.

Daquelas ruas de medina, num ziguezaguear trémulo, apoiado na colina, a vista para Espanha, lá abaixo no vale, é uma espécie de vertigem. Uma vertigem reconfortante, porque a ligação a Badajoz parece ser cada vez mais fraterna.



Para nosso espanto, as ruas desvendam relíquias de tempos diferentes. Mas a maior surpresa é a simpatia das pessoas que nos mostram a cidade que amam. Estávamos a desenhar o Arco do Miradeiro, antiga porta da cerca moura. O seus habitantes, isto é, o casal que vive na casa que foi construída sobre o arco, convidaram-nos a entrar. 

Foi assim que pude desenhar a vista do Senhor Manuel Casaca, do terraço que se apoia na porta da muralha. Dali, a vista para Espanha é ainda mais vertiginosa e os quartéis, o Forte de Santa Luzia e a Igreja de São Domingos fazem um conjunto de referências que amarram qualquer desenho, por mais rápido que seja.



domingo, 15 de outubro de 2017

Traço 17 - Festival de Desenho do Alentejo - Forte da Graça, Elvas

´
Forte da Graça, Elvas
Traço 17 - Festival de Desenho do Alentejo, organizado pela AIAR.
Encontro de Urban Sketchers Portugal e de Évora Sketchers.

São Roque

Acabo de receber, pelo correio, um frasco de Carbon Ink para experimentar nos meus próximos desenhos. Neste, deu-me imenso jeito que a tinta «permanente» se deixasse levar pela água.

(Aguarela, grafite, caneta caligráfica e lápis de cor)                                                                                                                                «in situ»

" DOIS ANIMAIS, DOIS PARES DE CAVIDADES OCULARES"._2017

Dois animais; um vivo (SERPENTE DA BIRMÂNIA - Aquando duma visita de estudo sob a orientação do Arq. RCâmara, no Jardim Zoológico de Lisboa), outro embalsamado.( ÁGUIA - CALÇADA • Hieraaetus pennatus, ave;recolhida no laboratório da Faculdade de Ciências de Lisboa, sob a direcção do Prof Doutor PEDRO RÉ)..

OBS - APENAS O EXEMPLAR DA SERPENTE FOI JÁ PUBLICADO NO BLOGUE DOS USKP EM ABR14; PRESENTEMENTE, ESTÃO PATENTES AO PÚBLICO - da minha parte - ALGUNS PEQUENOS VERTEBRADOS E INVERTEBRADOS.TAL PROJECTO FAZ PARTE DE UMA EXPOSIÇÃO NA FACULDADE DE CIÊNCIAS DE LISBOA,, NO LABORATÓRIO, NUM PERÍODO ATÉ DEZEMBRO17,INTITULADA "OLHAR CIÊNCIA" (Galeria Ciências C4 - Piso 3). PELA EXPRESSIVIDADE DO OLHAR, PROCUREI JUNTAR OS DOIS ELEMENTOS.

APROVEITO PARA AGRADECER AOS PROFs DOUTORES DA UNIVERSIDADE, ATENDIMENTO DOS FUNCIONÁRIOS, ASSIM COMO AOS PROMOTORES DOS USKP, entre os quais, Designer e Professor EDUARDO SALAVISA, PELA INTERESSANTE INICIATIVA. O QUE ORIGINOU UM PERCURSO COMPLETO E CONCLUSIVO NA EXTENSÃO DESSE   REGISTO...
Igualmente, felicito os demais intervencionistas nessa exposição com trabalhos bastante relevantes alusivos ao espaço da Faculdade de Ciência, bem assim de fotografias como também do vídeo que  acompanha o evento.na sala da exposição.
.
Autora do seguinte registo dos vertebrados_LISETE Fernandes..
                                                                            15OUT17


TÍTULO DA OBRA. " DOIS ANIMAIS, DOIS PARES DE CAVIDADES OCULARES".
FIG 1- Dois vertebrados: um vivo, outro embalsamado.

sábado, 14 de outubro de 2017

sketchbook therapy







O grupo do Norte dos USK decidiu, este ano, alargar a sua participação no (a)Riscar o Património, a várias cidades. Fiquei como anfitrião em Chaves na qual tinha sugerido o tema "Aqua Flavie" de modo a explorar a zona marginal do rio Tâmega. Aqui ficam os meus desenhos, tendo pena de ter sido o único a participante!!! Para o ano, espero ter alguém para me ajudar a deitar os foguetes :)

Inktober

Este ano, a participação no inktober - um excelente desafio que nos põe a desenhar muito! - é feita "a meias" com a minha filha Alice, num nosso novo projeto de ilustração, desenho e urban sketching que podem conhecer aqui
Cada uma desenha no seu caderno e depois "unimos" os desenhos.



Macacos!

Monkey Forest, Ubud, Bali, Indonésia.

Museu Nacional do Azulejo

Mistérios.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

O Mundo não se Fez para Pensarmos Nele


O meu olhar é nítido como um girassol. 
Tenho o costume de andar pelas estradas 
Olhando para a direita e para a esquerda, 
E de, vez em quando olhando para trás... 
E o que vejo a cada momento 
É aquilo que nunca antes eu tinha visto, 
E eu sei dar por isso muito bem... 
(...)
Creio no mundo como num malmequer, 
Porque o vejo. Mas não penso nele 
Porque pensar é não compreender ... 

O Mundo não se fez para pensarmos nele 
(Pensar é estar doente dos olhos) 
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo... 


Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema II" 

(Aguarela, grafite, caneta caligráfica e lápis de cor)                                                                                                                                «in situ»